De TODO coração

Olá galera, sei que ando muuuuuito sumido, mas são as circunstâncias que às vez nos deixam bem atarefados, mas eu não consigo mais renunciar ao que Deus tem me dado! Vamos ao que interessa… Hoje vou falar sobre algo que tem me intrigado muito, algo que Deus tem cobrado principalmente da minha vida e acredito que isso possa servir para a sua vida também!

No livro de Jeremias, no capítulo 29, versículo 13, diz o seguinte:

Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração.

E o que Deus tem posto em meu coração é que uma ampla parte da sociedade cristã, atualmente, tem sido alimentada com uma ideologia de vitórias sem lutas, de ganhar algo sem renúncia, de galardão sem obediência, de vida sem sacrifícios, e acreditam que Deus possui a função de mordomo. Que ao pedirmos Deus nos dará, só fazer um bico, uma pirraça como uma pequena criança mimada, sendo que o que Jesus nos ensinou quando viveu aqui na terra, é uma vida de renúncia, de sacrifício, de humildade e de obediência total à Deus. Hoje em dia é pregado mensagens de prosperidade financeira, vitória e milagres e deixaram a cruz, salvação e o caminho estreito de lado, a essência do evangelho foi embaçada.

As pessoas querem achar os favores de Deus mas não querem buscá-lo, ouvem falar de Deus mas não o conhecem, não tem um relacionamento com o Pai. Quando Deus entregou Jesus em sacrifício para pagar por nossos pecados, Ele estabeleceu a chance de um relacionamento com Ele, ele rasgou o véu do templo, a presença dEle se espalhou por todos os lugares, dentro e fora de Israel, a intimidade de Deus deixou de ser para com uma pessoa específica e se estendeu a cada um que reconhece que Jesus é o salvador da morte eterna.

Quando o Senhor Deus fala que quando o buscarmos de todo o nosso coração o encontraremos, é de entrega total, sem medos, anseios, regras, formalidades ou abismos que possam nos separar do relacionamento que Ele nos convida a termos. Muitas das vezes, as pessoas estão na igreja, fazem obras grandiosas, exercem o ministério mas não tem tempo de ter um relacionamento íntimo com o Pai, se ocupam demais com as tarefas da igreja, e as seculares pois ninguém está fora do mundo, e acabam esquecendo, não por maldade, de orar, jejuar, meditar e estudar a bíblia e acabam se tornando religiosos e esfriam espiritualmente, caem na rotina.

No livro “Da janela ao monte” de Helena Tannure, à uma parte em que ela explica o motivo do pecado ter entrado no mundo, onde tudo começou, achei muito interessante e gostaria de compartilhar:

ONDE TUDO COMEÇOU…

“Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniquidade em ti.”

“Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor…” (Ezequiel 28 : 15 e 17)

O texto de Ezequiel refere-se à queda de Lúcifer. O termo perfeito significa íntegro e moralmente sadio. Por criação, Lúcifer era perfeito, porém o seu orgulho concebido em seu interior causou sua ruína.

E em Isaías lemos:

“Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitava as nações. Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do norte, subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. Com tudo serás precipitado para o reino dos mortos no mais profundo abismo.” (Isaías 14 : 12-15)

O orgulho não foi apenas a ruína de satanás. Ele já arrastou muitos para a apatia, a solidão e a total cegueira espiritual, plantando sutilmente no coração das pessoas o mesmo orgulho, a mesma soberba que o levou à condenação.

Quando satanás falou à mulher através da serpente, oferecendo-lhe o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, ele disse: “Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se vos abrirão os olhos e, como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal” (Gênesis 3:5)

Serei como Deus! A “Síndrome de Lúcifer”, a mesma iniquidade que se achou em satanás, foi plantada por ele no coração da mulher e assim, foi introduzido o pecado em toda a raça humana, causando a separação entre Criador e criatura. Depois dessa separação, como o homem poderia se sentir?

Incompleto, frustrado e, imagino eu, com uma imensa necessidade de perdão e aprovação.

Como se não bastasse tanta desolação, na sequência histórica dos desastres, veio a morte de Abel por causa da inveja de seu irmão. Caim não suportou ver a oferta de Abel sendo agradável a Deus enquanto a sua fora rejeitada. Não suportou ser menos que Abel. Queria agradar, ser o melhor, receber reconhecimento e, como isso não ocorreu, a ira que nutria por seu irmão, levou-o ao homicídio.

No princípio, antes da mentira, homicídio, prostituição ou roubo… Houve orgulho, presunção, inveja.

Observando esta combinação de palavras: orgulho, presunção e inveja, ocorreu-me uma quarta palavra que resume o sentido de todas elas. Fui até o dicionário, e lá estava: VAIDADE! Vaidade é: desejo exagerado de atrair admiração ou as homenagens dos outros. Ostentação; presunção; futilidade; orgulho.

A obstinação de Lúcifer em atrair a admiração e adoração o levou à queda. Assim foi concebida a vaidade no próprio satanás.

Esta palavra que tem sido muitas vezes mascarada como algo bom, que sugere autoestima e cuidado com a própria aparência, é na verdade o pecado que gerou a queda de Lúcifer e, até hoje, tem gerado distração, engano e morte.

Foram exatamente a distração e o engano, gerados pela vaidade, que me deixaram como morta, porém vivendo uma vida de religiosidade.

Religioso é o que vive segundo as regras de uma religião, alguém que se esforça para ser correto de acordo com leis e padrões pré-estabelecidas.

Por mais que alguém se esforce, jamais conseguirá ser puro o suficiente, por isso há necessidade da justificação através de Jesus Cristo. O sacrifício da cruz cumpriu a lei e nos outorgou a graça (favor não merecido). Não é o que fazemos que nos torna aceitáveis aos olhos de Deus, mas o que Jesus Cristo fez. Nosso aparente e momentâneo sucesso em parecermos justos, facilmente nos torna críticos e intolerantes com os erros dos outros como se estivéssemos em posição de superioridade. Tendo tal ilusão como “pano de fundo” é comum desenvolvermos o desejo de reconhecimento, aclamação, aplausos e elogios. Este desejo, quando alimentado, nos torna escravos das expectativas humanas, nos desviando dos propósitos de Deus.

Porém, existe o contraponto.A bíblia diz que Jesus se esvaziou, assumindo forma de servo. O capítulo 2 da carta de Paulo aos filipenses é uma das descrições mais tocantes e reveladoras do caráter do Rei que se humilhou para se identificar conosco habitando entre nós, levando sobre si a culpa que era nossa, morrendo a nossa morte, para nos dar acesso a Sua vida.

‘… pois Ele, substituindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz.’ (Filipenses 2:6-8).

Jesus tomou o caminho contrario ao de Lúcifer. A trajetória do Messias de Deus foi de submissão e humildade. Ele veio para ‘desfazer as obras do diabo’. Quando nutrimos o desejo de sermos semelhantes a Jesus em humildade e amor, entregamos toda a glória a Deus, poderemos finalmente viver a vida abundante que foi conquistada para nós, e, só então, nos tornaremos instrumentos de cura e libertação atraindo outros aos pés do Senhor.

A obediência e humildade de Cristo cumpriram o propósito de Deus para a redenção do homem.

‘… Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está sobre todo o nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.’ (Filipenses 2:9-11).

Nos deixamos levar pelo orgulho e a vaidade que o diabo coloca em nosso coração e perdemos a essência, acabamos ficando cegos da glória de Deus pela a autossatisfação. Quando diz pra buscarmos de todo o coração pra então encontrarmos o Senhor, é entregar a Deus tudo o que está nos nossos corações, todas as nossas vontades, desejos, sonhos, projetos, medos, abismos, pedras, pecados… TUDO! Quando entregamos tudo nas mão de Deus e nos colocamos à sua vontade, os sonhos dEle se realizam nas nossas vidas, recebemos bênçãos, somos felizes, nos sentimos completos pela presença de Deus dentro de nós, e não por nossas atitudes.

Quando olhamos o contexto do versículo 13 de Jeremias, capítulo 29, então podemos perceber o amor e o zelo de Deus em ter um relacionamento conosco.

Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais. Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração. E serei achado de vós, diz o SENHOR… (Jeremias 29:11-14)

Temos que buscar a Deus com toda a vontade, com sede e fome por sua presença, com anseio de conhecer a cada dia mais a Deus, em querer estar ali por gratidão pela sua grande prova de amor. A minha oração pra minha vida e pra sua vida é que tenhamos essa fome por Deus, que tenhamos vontade de aprender mais das escrituras, de ter anseio em conhecer a Deus. Pra que não possa ser plantado em nós raízes de orgulho e vaidade pra que não nos afastemos do nosso Pai, pra que não cometamos os mesmos erros e não desagradarmos o coração de Deus!

Fiquem na paz de Deus!

Abração…